Portal COVID 19

Principal Atualizado em 27/05/20 - 14h15

TeleCovid, o humano do outro lado da linha

Com mais de 8 mil atendimentos desde março, quando foi criado, serviço para tirar dúvidas e orientar sobre Covid-19 conta com a ajuda de futuros jovens médicos

 

27/5/20  13:15   LÚCIO FLÁVIO, DA AGÊNCIA BRASÍLIA | EDIÇÃO: FÁBIO GÓIS

 

Lançado em 1947, o drama existencial A peste, de Albert Camus, narra a história de uma cidade do norte da África tomada por surto de doença e a dedicação desmedida de um médico em salvar vidas em meio ao pânico geral. Eis a realidade de muitos profissionais de saúde Brasil afora nestes tempos de coronavírus, com destaque aos jovens estudantes de medicina do DF que fazem parte, desde março, da central de chamadas TeleCovid.

 

Boa parte deles se dedica, com afinco e altruísmo, ao serviço 24h criado pelo GDF exclusivamente para atender chamadas relativas à Covid-19, a doença acusada pelo novo vírus. Segundo o Serviço de Atendimento Médico de Urgência (Samu), já foram feitas mais de 8 mil ligações para o TeleCovid.

 

“O objetivo desse programa foi o de orientar a população afim de que não lotasse os hospitais, evitando aglomerações desnecessárias” Alexandre Barbosa, major do CBMDF e diretor do Samu

 

“Tudo começou na primeira semana de março, quando chegou o caso da paciente zero que foi para o Hran [Hospital Regional da Asa Norte]”, lembra o major do Corpo de Bombeiros (CBMDF) Alexandre Garcia Barbosa, atual diretor do Samu-DF e idealizador do canal. “Não demorou muito para o 192, a linha do Samu, ficar congestionada com pessoas cheias de dúvidas sobre a doença”, completa o militar.

 

A solução foi orientar a população a entrar em contato com três números já conhecidos da sociedade – 190 (Polícia Militar), 193 (Bombeiros) e 199 (Defesa Civil) – para buscar informações sobre o coronavírus. Ao fazer o primeiro contato com bombeiros e policiais, se o usuário quiser tirar dúvidas ou ter orientações sobre o novo vírus, será encaminhado, imediatamente, para um dos 42 estudantes de medicina do último semestre da Universidade Católica de Brasília (UCB). Ou para os 51 alunos da Escola Superior de Ciências da Saúde (ESCS), que fazem o atendimento diretamente do Centro Integrado de Operações de Brasília (Ciob).

 

“O objetivo desse programa foi o de orientar a população afim de que não lotasse os hospitais, evitando aglomerações desnecessárias”, ressalta Garcia. “Passamos as orientações cabíveis e, se necessário, encaminhamos o paciente para uma unidade de saúde. Com isso diminuímos a demanda para 192 e aumentamos as chamadas para os números 190, 193 e 199”, comemora.

 

Aprendizado

 

Todo esse grupo de quase 100 voluntários de futuros médicos são divididos em três turnos diferentes. São sempre dois alunos da Universidade Católica de Brasília por período e seis pupilos da Escola Superior de Ciências da Saúde.

 

O plantão noturno fica por conta de enfermeiros do Samu. Um médico orientador da ESCS fica de plantão durante os turnos desses “call-residentes”,  para ajudar no esclarecimento de casos mais complexos.

 

Prestes a pegar o canudo do curso na Católica e vestir o jaleco de médica, Lívia Nascimento, 26 anos, confessa que a experiência tem sido engrandecedora. A motivação que a levou ser uma das voluntárias da Católica nessa parceria com o GDF foi a singularidade destes dias difíceis de pandemia, que assola o mundo inteiro.

 

“É um momento único sobre uma situação de atendimento à população em plena pandemia”, diz a estudante, que pretende se especializar em medicina familiar e em gestão em saúde.

 

A colega de turma, Marianna de Almeida Frech, 31 anos, no penúltimo semestre da Católica, reforça a impressão sobre a excepcionalidade do momento. Ou seja, único para qualquer profissional de saúde em qualquer canto do mundo.

 

“É uma experiência que vai marca qualquer profissional. Estamos atuando em um momento único em nosso país e em todo o mundo, e com a possibilidade de ajudar as pessoas com informações, tranquilizando muito delas”, acrescenta a jovem, também formada em Farmácia.

 

Humanização

 

As voluntárias do TeleCovid contam que a maioria das pessoas que são atendidas do outro lado da linha não apresentam sintomas de Covid-19. Mas, atordoada por uma avalanche de informações tristes e desoladoras sobre o tema nos noticiários, a maioria delas liga para a central sem esconder a angústia. É gente que, em grande parte, faz parte do grupo de risco (mais de 60 anos, imunidade baixa, com histórico de outras doenças etc). Quando surge alguém com suspeita de infecção, a orientação é procurar uma unidade de saúde ou como fazer o isolamento domiciliar.

 

Em ambos os casos, acreditam as futuras médicas, pesa o lado condescendente, emocional e generoso da profissão. É quando a parte teórica se soma à atividade empírica do dia a dia para aliviar o sofrimento, a ansiedade e a aflição de quem está do outro lado da linha. Ou seja, no exemplo do médico humanista Rieux, de A peste, fazer o bem sem olhar a quem. E, neste caso, o outro é quase invisível, em que a presença se faz por meio da voz.

 

“Acho que conseguimos ajudar muitas pessoas dessa forma”, diz Marianna. “É uma experiência que não se aprende sentada numa cadeira de faculdade, com questões teóricas. Então, tem sido uma oportunidade muito interessante”, concorda Lívia.

 

Leia também

 

Estudantes da Escs reforçam atendimento do TeleCovid

 

Veja, aqui, a atualização diária das medidas de combate pelo GDF

 

Estudante do primeiro semestre do curso de medicina da Escola Superior de Ciências da Saúde (ESCS) – instituição que forma, em média, 120 profissionais do segmento por ano, entre enfermeiros e médicos –, Geovanna Pereira Costa, 21 anos, tem a expectativa de ser útil em um momento tão delicado da humanidade.

“É a chance que temos de devolver para a sociedade, como assistente, o que aprendemos, e de crescermos como pessoa humana e social”, resume.

AS INFORMAÇÕES CONSTANTES NESTE SITE SÃO OFICIAIS DO GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL.
Denúncias e reclamações

Site: www.ouvidoria.df.gov.br

Telefone: 162

Pedidos de acesso à informação: www.e-sic.df.gov.br

Em caso de suspeita: Ligue 190, 193 ou 199

Sites confiáveis para notícias sobre o coronavírus

Agência Brasília: agenciabrasilia.df.gov.br

Secretaria de Saúde do Distrito Federal: www.saude.df.gov.br